• Leonardo - Amais

Para superar os novos desafios sua entidade precisa de criatividade e inovação!

Se você conhece o trabalho de alguma organização social em sua cidade, já sabe do importante trabalho que elas realizam para a comunidade. Com a chegada da pandemia causada pelo coronavírus (COVID-19) muitas delas se viram obrigadas a interromper seus atendimentos.

Patricia Lobaccaro, consultoria social, em matéria para a UOL, esclarece a situação atual: "Navegar por esses tempos incertos está sendo desafiador para todos. Para o terceiro setor, que atende as populações mais vulneráveis e lida com os maiores desafios do planeta, enfrentar esse desafio não será fácil. [...] Mesmo com a sustentabilidade financeira fragilizada, a demanda pelos serviços de assistência social dessas organizações será ainda maior em virtude da crise econômica gerada pela pandemia".


Diante desse cenário de aumento na demanda pelos atendimentos realizados e possível diminuição do fluxo financeiro, as organizações do terceiro setor precisam encontrar novas formas de captar recursos na comunidade e inovar a maneira que seu atendimento é realizado. Esse é o momento dos gestores e a equipe de colaboradores dessas entidades pensarem com criatividade como viabilizar seu atendimento a curto, médio e longe prazo.

A curto prazo é importante manter o relacionamento com sua comunidade de doadores e manter a captação de recursos funcionando com as normas de segurança (clique aqui para verificar as normas de segurança) e procurar formas de manter, na medida do possível, o atendimento que é prestado à sociedade. Por exemplo: Uma APAE que está impossibilitada de receber alunos pode deixar um telefone disponível para os pais dos assistidos recorrerem a um profissional em casos urgentes, como uma crise de ansiedade, visto que o período de quarentena é muito desgastante. Outro exemplo poderia ser uma creche que não pode funcionar, mas os professores podem gravar vídeos com atividades para enviar aos pais dos assistidos. As ferramentes onlines podem ser grandes aliadas para que as organizações civis continuem a realizar sua missão de fazer o bem!


Para médio e longo prazo é preciso pensar em como diminuir as despesas fixas da entidade, para que tenha maior margem financeira em momentos como esse, assim como, buscar novos públicos de doadores, como na comunidade online, para diversificar as fontes de receitas. É preciso também avaliar o que é possível fazer com as ferramentas online

para que se possa realizar cada vez mais atendimentos sem que as despesas aumente ou que diminua a qualidade do atendimento realizado, por exemplo: após essa pandemia a procura por vagas nos asilos podem aumentar e os lares podem não ter condições financeiras de suprir essa demanda de atendimentos. Uma solução emergencial seria incluir uma forma de atender os idosos á longa distância, como uma assistência minima até que possam investir na sua capacidade de vagas. Esse atendimento poderia ser via telefone, vídeo chamada ou até mesmo um profissional do lar se locomover até a residencia do idoso, apesar de nesses casos não abrigarem os idosos, não deixam de prestar uma assistência minima.


Para que tudo isso possa ser feito com segurança e responsabilidade é necessário estudar caso a caso como inovar e ser criativo dentro da sua comunidade. Os exemplos aqui citados são apenas ilustrativos e devem passar por uma avaliação dos profissionais que trabalham no atendimento. A mensagem final é:


A sua entidade é muito importante para a comunidade e é ainda mais nessa pandemia que estamos vivendo! É preciso manter o que foi conquistado até agora e inovar para atingir a demanda que pode crescer devido a isso.


Nós da equipe AMAIS estamos a disposição para trabalhar lado a lado nas soluções necessárias nesse momento. Entre em contato conosco.


Veja o artigo de Patricia Lobaccaro na integra clicando aqui!


0 visualização